A História de Dragonlance - Parte 2

Continuando nossa saga da história de Dragonlance. Lembrando que neste mês de março, comemora-se o aniversário de 30 anos do cenário. O mundo da Krynn estreou em uma série de aventuras e romances. Desde então, houve algumas voltas e reviravoltas no cenário e até nas regras usadas, mas Dragonlance continua sendo um dos locais mais inovadores do Dungens & Dragons.


Transição 1988-1994

Dragonlance tinha alcançado um período de transição, agora que a história definitiva do cenário tinha sido estabelecida. Havia mais histórias para serem contadas em Krynn , mas a TSR queria garantir o mesmo sucesso das séries anteriores.

Os livros DL15 Mists of Krynn (1988) e DL16 The World of Krynn (1988) foram as duas antologias de aventuras curtas que tinham pouco a ver com a épica Guerra da Lança. Eles praticamente queriam "encher linguiça" antes do lançamento do AD&D 2ª Edição, em 1989. Após o advento deste lançamento, a TSR aumentou suas trilogias de aventura, e isso se tornou a principal forma que Krynn foi explorada nas seguintes séries de aventuras: séries DLE (1989), DLA (1990) e DLS (1991). Algumas aventuras extraordinárias também apareceram, assim como uma revisão com as regras da 2ª Edição das aventuras da Guerra da Lança (entre 1990-1994), que introduziu uma nova geração de jogadores a história épica de Krynn.

Os romances de Dragonlance continuaram até o final dos anos 80 e início dos anos 90, mas eles tendem a concentrar-se na Guerra da Lança. As antologias Tales (1987-1992) e Meetings Sextet (1991-1993), os romances Prelude (1989-1990) e Villains (1993-1994), deram uma nova luz sobre uma velha fórmula, mas sugeriram que Krynn precisava de algo inteiramente diferente para reviver a seus tempos de glória.

Possivelmente, a maior inovação desta época apareceu com o lendário David "Zeb" Cook, na caixa Time of the Dragon (1989). Ele detalhou o continente Taladas do outro lado de Krynn, um cenário distante o suficiente para que os leitores (e o próprio Cook!) não precisassem saber sobre os meandros da história e da mitologia de Krynn. Ele também continha algumas sociedades únicas, como os minotauros.

Taladas foi bem aceito, a trilogia DLA foi definida lá como também havia vários livros de referência: DLS1 New Beginnings (1991) foi o "Livro do Jogador" para a região, DLR1 Otherlands (1990) descreveu algumas das terras próximas a Taladas e DLR2 Taladas: The Minotaurs (1991) forneceu detalhes sobre a mais amada sociedade do continente.

Apesar desses livros de referência espalhados, a grande maioria dos livros de suporte para Krynn antes de 1992 eram na forma de aventuras. Nesse período, a TSR publicou ainda as extensas séries FR (1987-1993) e GAZ (1987-1991), mas nenhum sourcebook para Krynn . Então em 1992, parecia que isso estava mudando com o lançamento de não uma, mas duas caixa básicas: Tales of the Lance (1992) e Dwarven Kingdoms of Krynn (1993).

No entanto, antes desse novo renascimento onde Dragonlance poderia ir mais longe ainda, a linha foi incluída como parte do machado de cancelamentos no início da crise que tombaria a poderosa da TSR.

Matéria originalmente publicada na página do D&D. Nos vemos no próximo post, A História de Dragonlance - Parte 3.

E não deixe de ler a Parte 1.

Nenhum comentário:

Postar um comentário